Cadeias Produtivas Propulsivas

Planejamento Econômico Regional

Contextualizada no eixo estruturante Vocações Econômicas, a ação Desenvolvimento do Programa de Competitividade Econômica do Sudoeste, é compreendida pelas lideranças/organizações idealizadores e coordenadores do PDRI – Plano de Desenvolvimento Regional Integrado, como a mais prioritária e impactante no sucesso do Plano. Uma vez que a mesma contribuirá para importante e necessário planejamento da economia regional com ações de curto, médio e longo prazo. 

Um dos diferenciais do planejamento econômico do Sudoeste, é a adoção da metodologia que vem sendo empregada e referenciada na base teórica da “Localização e Crescimento Econômico Regional”, que tem como um dos teóricos Douglass North e principalmente contribuições da metodologia desenvolvida pelo Prof. Carlos Águedo Nagel Paiva.

Pregam as teorias da localização e crescimento econômico regional que estudadas as regiões enquanto territórios sub-nacionais, que alcançaram elevado desenvolvimento, se valeram das atividades produtivas específicas e de base exportadora, auferindo com isso o ingresso no território de renda da venda de produtos para regiões vizinhas, para o próprio país e mesmo para outras nações. Diferentemente das nações que se valem de vantagens relativas para competir entre si uma vez “(...) que determina a nação do ponto de vista da economia é a existência de uma organização particular – o Estado Nacional - que regula o fluxo (limitando os movimentos de ingresso do exterior e de saída para o exterior) de recursos financeiros, materiais e humanos. Para tanto, conta com diversos instrumentos legais, fiscais e aduaneiros, dentre os quais se salienta a unidade monetária própria e a capacidade de influenciar a relação entre preços internos e externos via taxa de câmbio”. (PAIVA, 2013, p.27).

Outro elemento importante que compõe este princípio teórico e orientador para o planejamento econômico regional, é as atividades/cadeias produtivas propulsivas e as atividades/cadeias produtivas reflexas ou multiplicativas. Conforme explica Paiva (2013), as atividades propulsivas de um território são aquelas que geram a “renda básica” do mesmo. São as atividades que dão início ao fluxo de renda interno ao mesmo. São as atividades que geram os produtos e serviços que o território “vende para o seu exterior”. 

Atividades multiplicativas são aquelas que são sustentadas pela renda básica. São os serviços e produtos que atendem as demandas locais dos receptores de renda básica, como o comércio a varejo, os serviços básicos de educação e saúde, as indústrias de base estritamente local (padarias, confeitarias, conserto de sapatos, etc.), os serviços de restaurantes, bares, cabeleireiro, clubes recreativos, são exemplos de atividades multiplicativas. São atividades voltadas ao atendimento das demandas de consumo dos trabalhadores e da classe média regional. (FPTI. 2013).

Importante destacar que o ato de exportar pode ser exercido não só pelas grandes empresas e/ou cooperativas industriais, agroindustriais, agrícolas e de serviços, mas também por pequenas e médias empresas uma vez que se caracteriza, como afirmado antes, que se entende o ato exportador o produto vendido nas regiões vizinhas. Como por exemplo, as vendas do Sudoeste para o Oeste Paranaense (o município de Capitão Leônidas Marques) ou para Oeste Catarinense (São Lourenço do Oestes-SC). 

No caso específico do Sudoeste boa parte da “renda básica” auferida da base exportadora é utilizada na compra de produtos da agricultura familiar e das micro e pequenas empresas urbanas, dando assim dinâmica econômica e realizando uma boa “química” entre as duas naturezas de atividades/cadeias propulsivas x multiplicativas. 

Cadeias Produtivas Propulsivas da Região Sudoeste

Com base no exposto acima e visando dar cabo a implantação do Programa de Competitividade Econômica do Sudoeste, com apoio da equipe de economistas da FIEP e da equipe da FPTI, desde 2014, vem sendo desenvolvido o planejamento e execução de visando estruturar o Plano.
Realizou-se a primeira etapa que consistiu no mapeamento das cadeias e identificação daquelas com caraterísticas de propulsivas, e foram identificadas as seguintes: Agroalimentar proteína animal - Leite, aves e suínos; Agroalimentar – Vegetais; Vestuário; AMUD - Artigos Metálicos e Utilidades Domésticas; TIC - Tecnologia da Informação e Comunicação; e Madeira e mobiliário. 

Para mapear e hierarquizar utilizou da orientação metodológica desenvolvida pelo Prof. Carlos Paiva, acima referido, que consiste na identificação por hierarquização do setor pelo Quociente Locacional – QL que representa a empregabilidade e na geração de emprego, pois se utiliza os dados do MTE/RAIS.

Uma segunda etapa importante que vem sendo realizada, visando fortalecer o diagnóstico das cadeias já identificadas, com base em informações primárias, que foram pesquisadas junto as empresas caracterizadas como âncoras das respectivas cadeias, bem como, a adoção dos indicadores do VAF – Valor Adicionado Fiscal. 

Plano de Desenvolvimento Econômico do Sudoeste

No contexto da estratégia do PDRI acima referida, e tendo como base as cadeias identificadas e priorizadas e visando elevar o Sudoeste para a condição de um território competitivo, está em curso o processo da estruturação do PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO SUDOESTE.

PDRI - Plano de Desenvolvimento Regional Integrado - Sudoeste do Paraná
Fone: +55 46 3524-0558